4 de abril de 2017

Resenha: A Sétima Cela - Kerry Drewery

Livro: A Sétima Cela
Autor: Kerry Drewery
Editora: Astral Cultural 
Páginas: 316                                                       Compre: Amazon Saraiva 

Sinopse: Martha Heneydew é a primeira adolescente a ser presa e condenada no novo sistema de justiça da Inglaterra. A polícia a encontrou ao lado do corpo de Jackson Paige, filantropo, milionário e uma das celebridades mais queridas do país. Nesse novo sistema de justiça, o condenado tem sete dias (cada dia em uma cela diferente) para ter seu destino determinado pelos votos dos telespectadores. Se a audiência do programa de TV Morte é Justiça decidir pela inocência do preso, ele será solto. Caso contrário, será morto na cadeira elétrica. Porém, algumas peças não se encaixam na história que Martha conta para a justiça. Ela se declara culpada, mas há algo por trás da cena do crime que os telespectadores ainda não sabem. Com a ajuda da consultora psicológica, Eve Stanton, de um juiz do antigo sistema jurídico, Cícero, e do seu grande amor, os sete dias que precedem sua execução serão de muita intensidade, sofrimento, descobertas inesperadas e reviravoltas de perder o fôlego. Quem é, de verdade, Jackson Paige? Martha Heneydew é realmente culpada? Será que esse sistema jurídico é justo? Nesta distopia eletrizante, todas essas questões nos fazem refletir sobre o poder do dinheiro que, muitas vezes, prevalece sobre a justiça. E Martha, uma adolescente forte e destemida, mostra sua crença em uma sociedade verdadeiramente justa, na força da amizade e do amor. Mesmo que isso possa significar sua própria vida.



Olá pessoal, hoje vamos conversar sobre esse livro que me despertou emoções extremas e contraditórias acerca da situação atual da vida real versus ao que é narrado aqui, me acompanhe.
Martha é uma adolescente de 17 anos acusada do assassinato de um dos homens mais amado e querido da sociedade londrina. A justiça como conhecemos não conseguiu atingir seu objetivo de prender os culpados e condená-los por isso. Então a solução foi criar um sistema onde a sociedade decide isso.

A Olho por Olho produção tem um reality show onde as pessoas decidem como será a condenação dos presos a partir do momento que eles entram na primeira cela. Eles precisam passar por sete e se lá na frente não conseguirem provar sua inocência serão mortos, como decidido pelas pessoas. Um horror. A Narrativa da autora me fez lembrar alguns comentários cheios de ódio que vemos nas redes sociais, mas sigamos em frente.

Quando Martha é presa, ela sabe dos riscos que corre. Ela decidiu isso porque a única pessoa que pode fazer alguma para ajudá-la tem que se manter distante de toda essa confusão para que ele possa fazer alguma coisa de bom. Afinal ele tem dinheiro e posição social, enquanto ela é órfã e pobre. Alguma semelhança com a sociedade de um modo geral? Não né?

Pois então, na etapa final do Reality quando ela está para receber sua sentença, a verdade dos fatos vem à tona, mas junto com ela todo um episódio traumático para Martha e quem ela ama. Qualquer coisa que se fale sobre isso será um grande spoiler, porque o legal é ficarmos no suspense sem saber de fato o que vai acontecer com os dois melhores personagens do livro.


Uma história diferente e original cheia de personalidade que ainda renderá bons frutos, já estou aguardando o segundo livro.


Resenha feita pela Anastacia Cabo. 

Livro cortesia da Astral Cultural no Encontro de Blogueiros da Aliança. 

3 comentários:

Ingrid Moreira disse...

Eu simplesmente me apaixonei por esse livro...
Olho por olho, será que isso é justiça?
Adorei a abordagem do autor na construção das críticas ao sistema judiciário. Um livro que com certeza ficará na minha estante
~Um livro, por favor?

Paula Ramos disse...

Que capa bizarra!

Thati Machado disse...

Eu gostei muito da proposta da autora, mas acho que ela pecou em alguns momentos na execução. Ainda assim, trata-se de uma boa distopia e tenho pretensão de ler a continuação.

Thati Machado;
http://nemteconto.org